Categorias
Blog Variedades

Desfinal

Uma palavra que sempre me encantou, desde a adolescencia, era a “Disparidade”. Usa-la no lugar da palavra “diferença” era algo tão legal quanto fazer o gol da vitória no campinho de barro aqui perto.

Me sentia feliz e superior quando podia usa-la em uma frase e logo após ouvir, atento, da pessoa com quem eu conversava:

– Nossa, tá falando difícil hein? O que significa isso?

E seguia a minha explicação, atenciosa e cautelosa. Sempre com a sensação do dever cumprido.

Mas a língua portuguesa me encanta. De uma forma simplória, mas me encanta. E uma das coisas que me deixa fascinado nessa nossa língua, são os prefixos “dis” e  “des“.
Esses dois safadinhos que estão contidos nas palavras: Disparidade, discrepante, desencantado, destemido e afins. Tudo bem, a palavra “afins” não tem os prefixos. Tirei a piada da sua cabeça, certo? Ganhei. (ha-ha!)

Esses prefixos não se aplicam em outras palavras, só em algumas específicas em que a regra permite. Mas bem que todo brasileiro já pensou em burlar essa lei.

– Despequeno Kauê! Tudo em disbaixo?

– Nada cara. Tô discelularizado.

– Mas te desderam?

– Não. Jogaram em uma parede desmole e ele desmontou.

– Que dislegal.

– É meu dia de dissorte.

São conversas interessantes assim que poderíamos ter por aí. E sem ao menos precisar ler duas vezes, como você precisou agora.

Mas como em toda língua, há coisas que me irritam. Como, por exemplo, a não popularização de algumas palavras, ou do modo com que são faladas.
O exemplo mais clássico disso que vos digo, é a palavra “muito”.
Quem, em sã consciência, fala “muito”? Força o nariz de uma forma que poderia causar uma cãibra mucal. Um verdadeiro desnariz.

A palavra deveria ser escrita como “muinto”, como todos a falam. Parece feio e deselegante, mas é porque a professora do ginásio colocou isso na cabeça de vocês. E aposto que todos que estão lendo esse parágrafo agora, estão falando a palavra “muito” para ter certeza que conseguem falar. Mas não desperdicem esforços, é dispossível você falar ela amanhã sem querer. Vai continuar falando “muinto”. Sofra.

Não vou me alongar nessa discussão linguística, porque preciso de assuntos para outras crônicas, lógico. Senão tem o perigo de o autor fica desempregado e o blog, descronicado.

Descomeço.

Comente: