Categorias
Blog Design Social Media Variedades

Entrevista com Pyr Marcondes – O desempenho do Cyber brasileiro em Cannes 2011

Tivemos na semana passada o festival de Cannes,o maior e mais prestigiado festival de publicidade do mundo. E o que dizer sobre a participação brasileira? Isso depende. No geral, tivemos um novo recorde de leões verde e amarelos , o que nos levaria a crer que a publicidade nacional vai muito bem obrigado. Mas isso não é inteiramente verdade.

O Brasil teve apenas um Leão de prata na categora. E mais nada. É pouco, mas ao que se deve tal fato? O que deve ser feito e por quem?

Pyr Marcondes, criador e diretor da plataforma digital Proxxima, do grupo Meio e Mensagem escreveu sobre o assunto no blog do canal, e entre outras coisas disse:’

“[…] Brasil aqui, passou, pelo segundo ano consecutivo, pelo fiasco que passou em Cyber. É piada.”

“Tive vergonha por você, caro(a) amigo(a). Vergonha alheia por ter visto tanta coisa legal feita com verbas do tamanho do bolso brasileiro, trabalhos que perfeitamente poderiam ter isso criados no Brasil, para brasileiros. E você, nada.”

Para ler o texto na integra, clique aqui

Polêmico, o texto foi a fagulha para uma grande discussão. Muitas respostas, contras e a favor à idéia do texto, surgiram. Dentre todas, vou ressaltar a do Neto (Mentor Muniz Neto/ VP de criação da Bullet)

Que discorda do Pyr, com pontos como:

“Se somos moderninhos ao dizer que não existe mais nem on, nem offline, como acontece em toda palestra que assisto (ah…e como somos bons de palestra), agora não venham dizer que fomos mal em online.
Fomos mal em muito mais do que apenas online. Em Rádio voltamos com apenas três. Em Promo, com dois. Em PR com dois.
Para nosso Rei, bacalhau basta.”

“Durante todo o ano, esqueceremos desta semana de Cannes e mergulharemos nossos narizes em planilhas de excel para brigar por sobrevivência. Quando nos encontrarmos por aí, não lembraremos de Cannes. “

Para ler texto do Neto na integra, clique aqui.

A discussão é longa, não há um “lado certo da força”, uma verdade absoluta. O que existe é um problema, o Cyber brasileiro não segue o ritmo brasileiro em outras categorias.
Não vai ser 140 caracteres, nem em um post em blog que a questão chegará ao fim. Para esclarecer melhor o cenário e levantar os mais pontos importantes dessa discussão, entrevistei Pyr Marcondes, e o resultado você confere abaixo.

1) Um prêmio em Cannes é com certeza um grande feito. Mas não ganhar, significa que o trabalho está errado? O prêmio é o que realmente importa?

Não é o prêmio que realmente importa, o que importa sempre em comunicação profissional são os resultados gerados aos clientes. Prêmios são ambientes balizadores de qualidade técnica. São referências para o aprimoramento do ofício, das formas e das linguagens. Sem eles, ninguém teria como saber o que é bom ou ruim. Nem mesmo os anunciantes. Ir bem em prêmios significa excelência no domínio da arte da comunicação. Não ir bem, no entanto, não quer dizer que se fez errado.

2) Claramente o desempenho brasileiro, na categoria Cyber de Cannes, não lhe agradou. O que teria sido um desempenho bom, na sua opinião?

Ter ganho mais Leões, pelas razões expostas acima. Aprimorar a qualidade técnica e elaborar o talento e diferenciar-se criativamente são metas de todo profissional da comunicação. Ganhar mais prêmios por ter conseguido esses objetivos, teria sido ir melhor.

3) Para Raphael Vasconcellos, da AgenciaClick Isobar e um dos jurados brasileiros do festival “o Brasil ainda faz o ‘cyber’ que fazia seis anos atrás”. Paramos no tempo? O problema esta na criação?

Paramos definitivamente no tempo, nos aspectos que coloquei acima. Essa é a razão do meu artigo e da minha indignação, que vai mais no sentido de alertar para o fato do que de procurar culpados. Analisando com atenção o que mesmo países menos desenvolvidos do que o Brasil estão fazendo em Cyber é uma indispensável lição de casa para constatarmos como paramos no tempo. O Raphael se refere a uma época de ouro inicial, em que a propaganda digital brasileira ganhava tudo em Cyber. Era a época do banner. Mas a época do banner morreu em todo o mundo e a maior parcela das inscrições de Cyber do Brasil este ano continuou sendo de banners. O júri nem olha mais banners. Portanto, saímos do radar do que de fato importa hoje em dia.

4) Quando escreveu o texto, pensou também nos clientes/anunciantes? Que parcela de culpa eles tem no desempenho nacional em cyber?

Os clientes aprovam as campanhas e, portanto, tem no mínimo cem por centode responsabilidade pelas aprovações. Mas os anunciantes/clientes não são técnicos, nem dominam a habilidade criativa digital. Essa é missão e tarefa de quem cria e produz publicidade ou comunicação digital. Se você só leva porcaria para o seu cliente e ele não tem alternativas e também não domina as melhores referências contemporâneas, fica sem saída. Aí, se não tem tu, vai tu mesmo. E lá em Cannes, chapamos a cara num muro. Simples assim.

5) Você esteve no festival e pode ver os cases vencedores. O que eles têm, e nós não? Que países estão fazendo as melhores campanhas em cyber?

Os cases vencedores têm algo que o Brasil sempre teve em Cannes e que, em outras categorias, ainda continua exibindo: imaginação criativa original, diferenciação pelo talento. A mesma ginga que diferencia o nosso futebol e sempre diferenciou e destacou o talento publicitário brasileiro no Festival. Os outros países mostraram diferenciação, uso ampliado de multiplataformas, integração do digital com ações do mundo físico, criação e geração de comunidades com base em causas de impacto na sociedade real, originalidade na elaboração de soluções de tecnologia de comunicação digital e plataformas próprias, aplicativos muito bem sacados, úteis e práticos, integrados em campanhas sem fronteiras entre on e off. Tudo embalado em criatividade, inovação, sacadas fora da caixa. O Brasil, xongas.

6) O Brasil é o segundo país que mais cresce no Facebook, a porcentagem da população com acesso a internet cresceu, como a venda de smartphones e computadores. Mais de 80% acessam as redes sociais. A compra coletiva vem se tornando habito dos brasileiros. Estes são indicadores de que o mercado está aquecido. Qual a relação destes dados e o mal desempenho nesta categoria em Cannes?

É uma relação de ordem invertida. Esses são indicadores do business. O business digital no Brasil não poderia ir melhor, obrigado. Cresce a taxas de dois dígitos e vai continuar crescendo no mesmo ritmo e com as mesmas ordens de grandeza na próxima década, fácil. O que vimos em Cannes foi exatamente o que comentei no meu artigo, ou seja, o país vai bem, o digital vai ótimo e a criatividade digital vai medíocre. Eu não tenho uma boa explicação para isso. Os donos de agência e os criativos, digitais ou não, é que têm que ter.

7) É natural que novas tecnologias (novos gadgtes, softwares, etc) tardem a chegar ao Brasil. Você acha que esse lapso de tempo, faz com o país já saia atrás nessa disputa?

Há de fato um lapso de adoção tecnológica, mas ele é menor do que o lapso criativo. Essa pode até ser uma parte da explicação, mas nem todos os Leões ganhos em Cannes por outros países estiveram baseados em novas tecnologias de primeiro mundo. Vários países de segundo e até de terceiro mundo conquistaram prêmios em Cyber, com o mesmo gap tecnológico que nós temos. Ou pior. Falta mesmo é sair da zona de conforto e voltar a criar com talento e imaginação.

8) O que, na sua opinião, deve mudar? Afinal, qual a solução?

Deve mudar a vontade dos profissionais de criação de criar coisas novas de verdade e não de mentirinha. Largar velhos conceitos, principalmente nas agências ditas mais tradicionais. Deve mudar a posição dos donos de agência, que demoraram barbaramente aqui no Brasil a perceber os avanços do digital, a inevitabilidade do digital. Deve mudar a falta de coragem de muitos anunciantes, que ainda estão em dúvida se a internet é de verdade ou se é uma moda passageira de engenheiros sem nada o que fazer.

9) O que achou da opinião do Neto? Qual foi feedback que recebeu pós a publicação do seu texto?

O Neto focou seu texto na falta de atenção dos donos das verbas publicitárias na inevitabilidade do digital. Ele tem razão. Acabo de citar isso aí em cima. É parte da verdade, mas não justifica o todo.

10) A discussão é muito extensa. Não há uma verdade absoluta, assim como não há uma solução que vá resolver de imediato. Gostaria de acrescentar algo?

Mais criatividade e originalidade, pelo amor de Deus! E você o que pensa sobre a questão?

Post de Pedro Oliveira

Gostou deste artigo? Então torne-se fã do Blog no Facebook!

Comente: