Fanfictions não nasceram com a internet

Estamos tão habituados com as comodidades da internet e das redes sociais que as vezes temos a tendência de achar que certos fenômenos nasceram com essas ferramentas.

Um exemplo que foi muito debatido foram as fanfictions, ou seja, fãs de séries, filmes ou livros que começaram espontaneamente a trocar informações através das ferramentas digitais, em alguns casos, chegando até mesmo a criar suas próprias versões e continuações para as histórias.

A palavra “fanfiction” ganhou popularidade no final dos anos 1960, quando Trekkies dedicaram-se a preencher os buracos deixados pela trama do original da série de TV Star Trek. Voltando ainda mais no tempo, 50 anos após a primeira narrativa completa de Rei Arthur apareceu em um livro chamado A História dos Reis da Grã-Bretanha. Outro escritor, Chrétien de Troyes, reescreveu a história e acrescentou o personagem Lancelot e o Santo Graal. Desde então o Rei Arthur ainda é adaptado, até hoje.

Então o que mudou ao longo dos últimos anos? A resposta é a lei de copyright. Antes do século XVIII, o copyright não era realmente um fato. Você ouvia uma história interessante, uma canção ou um poema, mas só poderia acrescentar seu próprio material quando o autor original morresse. Mesmo hoje, os direitos de um autor sobre sua criação dura apenas 42 anos, depois disso a história passa a ser de domínio público, livre para ser mudada e reescrita.

As Fanfictions ficam limitadas a essa lei apenas porque ninguém está gerando dinheiro com isso. Os Direitos Autorais, não a falta de talento, é o que impede as fanfictions de alcançar mais respeito na mídia não-Internet.

Autora: Poka Nascimento

Related Articles

20 Sites com Mockups GratuitosDescubra 20 sites com milhares de Mockups gratuitos!

Todo empreendedor criativo ama Mockups! Selecionamos 20 sites com milhares de Mockups gratuitos para você!