Categorias
Blog

MNM 17: Como Usar a Internet para Atrair Clientes

Como-Usar-Internet-Atrair-Clientes

Ouça o áudio da aula 2 do Curso Epifania de Marketing, assista o vídeo para aprender mais sobre marketing e comunicação na internet, seja você um designer freelancer ou empreendedor criativo.

Vamos para a estratégia. Nesta aula de 33 minutos, você vai aprender:

  • Qual é a estratégia ideal para atrair, vender e fidelizar clientes na internet.
  • Porque você não deve confiar a sua marca nas mídias sociais.
  • Qual é a ferramenta que vende 40 vezes mais do que Facebook e Twitter juntos.
  • Os 6 passos fundamentais do marketing digital.
  • E mais…

Ouça o Podcast Mídia, Não Marketing, abaixo…

[player]

Transcrição:

No episódio anterior, você aprendeu que existe uma maneira melhor de atrair clientes.

Você já sabe que agora é possível construir um negócio e uma marca sem investir rios de dinheiro, principalmente por causa da internet, através de mídia, também conhecido como marketing de conteúdo.

E é fundamental aplicar essa nova realidade para atrair clientes porque o marketing tradicional simplesmente não funciona mais.

Você conferiu como eu comecei a usar a internet quando criança, tive a minha agência, e como tudo mudou quando eu comprei o Vitamina Publicitária.

Você aprendeu que a solução não veio de hoje, e é usada pelos negócios e marcas inteligentes já há muitos anos, como desde multinacionais, como uma P&G e Coca-Cola, a microempreendedores e pequenas e médias empresas.

Foque no conteúdo. Construa uma audiência, e use mídia, não marketing.

E com a internet, tudo ficou mais fácil. O caminho, agora, é educar e entreter os clientes em direção aos seus produtos e serviços. Você vai aprender agora como colocar na prática o que falamos na lição anterior, através da internet.

Você vai aprender o caminho a seguir com o seu website em conjunto com seu e-mail marketing e redes sociais.

Vamos lá?

Com a chegada da internet, ficou mais fácil entender as pessoas. As mídias sociais são um centro de aprendizado e estudo que seria impossível de imaginar a séculos atrás, e o Google permite atrair clientes, ao invés de ser necessário interromper as pessoas para levar seus produtos e serviços até os clientes potenciais.

Ao atrair clientes, é possível iniciar um relacionamento e construir a confiança necessária para que a venda ocorra naturalmente.

E a solução é colocar a mídia em primeiro lugar, não em último. Ao escutar as pessoas, é possível entender as necessidades, construir melhores marcas e atrair clientes de uma maneira melhor.

A permissão para comunicar é fundamental. É ela quem dá a base para construir um relacionamento duradouro e a confiança necessária para atrair, vender e fidelizar clientes na era do conhecimento. Com a permissão das pessoas, é possível comunicar, promover produtos e vender.

A internet trouxe a possibilidade para os negócios e marcas conquistarem a permissão das pessoas, ao invés de interrompê-las para comunicar.

Com a permissão, mídia, ou conteúdo em primeiro, lugar constrói melhores marcas e negócios. Com conteúdo, você atrai pessoas interessadas, que dão a permissão para a comunicação, e podem comprar de você. Aprenda a educar e entreter seus clientes e potenciais clientes. Crie um centro de ensino e aprendizado em direção ao seus produtos e serviços.

Marketing de conteúdo ensina como produzir texto, áudio, vídeo, imagens e multimídias que constróem audiências para atrair, vender e fidelizar clientes.  Como profissional de marketing e comunicação ou empreendedor, você deve pensar como uma empresa de mídia. Como uma revista, uma estação de rádio ou um canal de televisão.

Você não precisa produzir a mesma quantidade de conteúdo que uma empresa de mídia, mas construir um conteúdo mínimo viável de alta qualidade, e agregar valor para a sua audiência frequentemente para criar o relacionamento e a confiança necessária para vender.

Mas com tantas metodologias, estratégias e táticas, o que realmente funciona? Como você consegue fazer isso na prática?

Na lição anterior, você aprendeu que atualmente, conteúdo é a alma do negócio. Nesta, você vai aprender a usar marketing de conteúdo que traz resultados em 5 passos.

1: Crie seu Mapa de Empatia

Entender o seu cliente é fundamental para criar marcas, comunicar e construir negócios.

Empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro. Usar os calçados do seu cliente. Ver o mundo como ele.

Usar um mapa de empatia ajuda a entender o cliente, criar produtos e serviços que eles realmente vão comprar e comunicar melhor.

A melhor forma de entender o que o seu cliente precisa é compreende-lo. Compreender uma pessoa é literalmente colocar-se no lugar dela.

Essa habilidade é chamada de empatia, e é a melhor forma para conhecer, entender e compreender de verdade o seu cliente.

Assim você vai sentir, pensar, ver, ouvir, falar e agir como ele. Na pele do seu cliente, é muito mais fácil conhecer os objetivos e as necessidades para entender como ajudá-lo e como a comunicação pode ser eficiente.

Desta forma você deve criar o conteúdo para construir o seu negócio e atrair, vender e fidelizar. Empatia é a capacidade de compreender o sentimento ou a reação de outra pessoa imaginando-se nas mesmas circunstâncias.

É a habilidade de se identificar e compreender emocionalmente o estado da alma de outra pessoa. Sem cliente, não há negócio. A razão de ser de qualquer organização está no cliente que ela atende.

Olhe com os olhos do cliente para entender as necessidades e aprender como vender para ele.

Mas como entender clientes se você está iniciando um marca e ainda não tem clientes?

Construa uma audiência

Ao criar uma audiência, uma estratégia que está ao alcance de todos atualmente através da internet, é possível começar a entender a fundo as pessoas que você realmente quer servir e como se comunicar com elas.

E para isso, o ideal é começar com uma audiência mínima viável.

As pessoas da sua audiência vão indicar o que querem comprar e como você deve comunicar para elas. Ouça, observe e entenda o que está implícito. Essa será a sua base para criar produtos, serviços e uma comunicação eficiente.

Você tem uma audiência mínima viável quando:

  • Está recebendo feedback suficiente em forma de comentários, e-mails ou redes sociais a fim de adaptar e evoluir o seu conteúdo para melhor servir e comunicar com a sua audiência.
  • Quando você está crescendo organicamente o seu público graças ao compartilhamento nas mídia sociais.
  • E quando você está ganhando visão suficiente sobre o que a sua audiência precisa para resolver seus problemas ou satisfazer seus desejos além das informações gratuitas que você está fornecendo.

É por isso que a audiência mínima viável é tão importante e por isso que você precisa construir uma audiência antes de construir uma marca ou um negócio.

Porque Criar um Mapa de Empatia

Depois de construir uma audiência mínima viável, ou seja, pessoas que gostam do seu conteúdo, do que você publica, é necessário entendê-las para criar produtos e serviços que elas querem comprar e comunicar efetivamente.

Como o Dr. James Patell do instituto de design de Stanford disse à CNN:

Um dos princípios fundadores da d.school (o Instituto de Design na Universidade de Stanford) é o design centrado no ser humano. Em vez de começar com as novas tecnologias, vamos começar por tentar estabelecer uma profunda empatia pessoal com nossos usuários para determinar as suas necessidades e desejos. Nós devemos preencher duas lacunas:

Nossos usuários precisam de uma maneira melhor de _________ PORQUE _________. A parte porque é fundamental.”

Coloque isso na sua cabeça:

Nossos clientes precisam de uma melhor maneira de __________________ porque __________________________”.

“Não é trabalho do consumidor saber o que ele precisa” – Steve Jobs

Esse é o seu trabalho como profissional de marketing, comunicação ou empreendedor.

Esta não é a única forma de criar um modelo de negócios ou um planejamento de marketing e comunicação, porém é uma das mais eficientes porque inicia com a parte mais importante: o cliente.

Todas as marcas e negócios de sucesso precisam entender de verdade os seus clientes. Conhecê-los melhor do que eles mesmos. As pessoas vivem de acordo com as suas metas, seus objetivos de vida. Inconscientes ou não, rápido ou devagar, se movem em direção às suas metas ao longo da vida.

Meta significa depois, ou além. As metas orientam as ações das pessoas, seja na vida profissional, ou na pessoal. De acordo com suas metas, as pessoas sentem, pensam e agem diferentemente umas das outras. Entender como o seu cliente ideal é em seu íntimo é fundamental para construir uma marca de sucesso.

Além das metas, as pessoas vivem em ambientes e o meio é um fator tão ou até mais determinante como a genética na vida das pessoas. Os ambientes pelos quais elas circulam e suas rotinas diárias são fundamentais em suas vidas.

As preocupações e os problemas também fazem parte do entendimento do cliente. Então seu cliente também tem metas, obstáculos e o ambiente em que se encontra. Entenda essas peculiaridades e construa um negócio e uma marca que funciona porque existe com o cliente em primeiro lugar.

O Mapa de Empatia

O mapa de empatia é uma ferramenta visual, com 7 campos principais.

Basicamente é uma folha dividida em 4 quadrantes com “Pensando e sentido”, “Vendo”, “Falando e Ouvindo” e “Fazendo”.  Algumas versões adicionam mais dois quadrantes com problemas e ganhos.

Adicione nestes espaços o que o seu cliente está normalmente pensando. Você pode escrever, adicionar post-its, ou como achar melhor.

O que o seu cliente está normalmente sentindo? E fazendo? E ouvindo? Essas respostas serão a base do seu conteúdo mínimo viável.

Faça perguntas que ajudam você a compreender o seu cliente e complete o mapa, como:

  • Quais são as dores, medos, frustrações e obstáculos do seu cliente?
  • O que motiva seu cliente a acordar de manhã?
  • Quais são as necessidades, metas, desejos e sonhos do seu cliente?
  • Como eles se sentem em relação a seus medos e esperanças?
  • O que eles vêem quando usam o seu produto? Qual é o ambiente?
  • Como é um dia típico do seu cliente?

Você também pode entrevistar clientes pessoalmente, pelo telefone, através de pesquisas e questionários na internet, ou observar as pessoas na internet e nas mídias sociais.

Dê um nome para a pessoa fictícia do seu mapa de empatia. Ela pode ser uma pessoa real. Ele deve refletir o seu cliente ideal, aquele que está preparado para consumir o seu conteúdo e comprar o seu produto após ser educado pelo seu conteúdo.

Ao final do exercício, você terá um mapa de empatia. Converse com a sua equipe sobre ele. O que todos acham? Como poderiam melhorar? Este processo é contínuo e melhora com o tempo.

Todos os dias aprendemos mais sobre nossos clientes, e o mapa da empatia pode ser revisto mensalmente, semestralmente ou anualmente.

2:  Construa seu Conteúdo Mínimo Viável

Depois de entender e conhecer seu cliente a fundo, construa o seu conteúdo mínimo viável, também conhecido como conteúdo de fundação.

Seu conteúdo de fundação deve ser as principais informações e conhecimentos que seu cliente precisa saber para fazer negócio com você. Esse conteúdo resume as principais respostas para as perguntas que foram levantadas no mapa de empatia.

Podem ser alguns artigos ou vídeos, por exemplo. O formato será determinado pelo conhecimento da sua audiência. Como eles preferem consumir essas informações?

Construa esse conteúdo de fundação para o seu cliente fazer negócio com você. Apresente este conteúdo de uma forma única e especial, que eduque e entretenha seus clientes em direção a seus produtos e serviços.

Atraia as pessoas que possuem potencial para adquirirem seus produtos e serviços e eduque-as mostrando porque seus produtos e serviços são as melhores soluções para elas.

O mapa de empatia vai mostrar o que deve ser o seu conteúdo de fundação e como ele deve ser apresentado.

Você vai acompanhar agora um exemplo fictício.

Imagine que você trabalhe em uma escola de idiomas e venda cursos de inglês. O seu mapa de empatia representa o Bruno, o seu cliente ideal que tem 32 anos de idade.

Você observou as mídias sociais, entrevistou alunos e adicionou no seu mapa de empatia que o Bruno sente que precisa aprender inglês para ser promovido. Assim, um dos seus conteúdos de fundação pode ter como título “Como ser Promovido no Trabalho”.

O conteúdo Como ser Promovido no Trabalho não vai explicar como ser promovido no trabalho só falando inglês, o que seria tentar vender seu produto diretamente. Primeiro agregue valor, e depois apresente a solução, seus produtos ou serviços.

O objetivo é educar seu cliente em direção a seus produtos e serviços, e por isso vamos construir um conteúdo que vai dar dicas, sobre como ser promovido no trabalho.

Esse conteúdo vai ser um artigo, por exemplo, com 4 sub-títulos, divisões deste conteúdo.

Uma destas divisões tem o título “porque ser promovido no trabalho é mais simples do que você pensa”, e vai dar dicas como “tenha um bom relacionamento com sua equipe e superiores, cuide de sua aparência e vista-se bem para ser promovido”.

A segunda divisão vai falar sobre a importância da educação, e discorrer sobre como é importante nunca parar de estudar, fornecer links para cursos on-line, faculdades e MBA’s.

A terceira divisão vai falar sobre como entender o que seus superiores querem de um profissional para alcançar a promoção. Essa parte deste conteúdo vai explicar como é importante perceber o que a diretoria quer e quais são as posições disponíveis para crescimento na empresa dentro do seu departamento, quais habilidades são necessárias para chegar lá e como é o processo de promoção.

A quarta parte do conteúdo é onde a mágica do marketing de conteúdo entra.

Depois de você ter agregado valor com os 3 primeiros pontos, diversos gatilhos de mentais foram acionados.

Neste caso, usamos gatilhos como a autoridade ao ensinar e educar com informações valiosas para a pessoa que consome o seu conteúdo. Ao ensinar, você também usa o gatilho da reciprocidade. Como você agregou valor para aquela pessoa, mesmo que a maioria não faça na prática, ela tem uma obrigação moral de retribuir o favor.

Se esse conteúdo for compartilhado e você apresentar as informações de compartilhamento nas mídias sociais, você usa o gatilho da prova social, e mostra que se diversas pessoas compartilharam o seu conteúdo, o motivo deve ser bom. E como as pessoas gostam de fazer o que as outras estão fazendo, você aumenta a chance do seu conteúdo ser compartilhado.

Ao usar conteúdo, você também pode beneficiar o seu negócio e a sua marca com o gatilho da afinidade. As pessoas gostam de fazer negócio com quem elas conhecem, gostam e confiam. E conteúdo faz exatamente isso.

Outros gatilhos como urgência e escassez também podem usados para conteúdos mais voltados a venda ou que tenham alguma variável temporal.

Estes são apenas alguns dos gatilhos que você pode e deve usar ao fazer conteúdo.

E para fechar este conteúdo, você vai falar sobre a importância do inglês para ser promovido e consequentemente educar em direção aos seus produtos e serviços. Você vai falar, por exemplo, aprenda um novo idioma, domine o inglês, e mostrar a importância de uma nova língua para uma promoção, provando porque um segundo idioma é fundamental.

Essa parte que vai direcionar o leitor que consome o conteúdo em direção aos produtos e serviços de quem vende cursos de inglês. Porém, todo o artigo não focou apenas no estudo de inglês, não focou nos serviços da empresa, mas sim no cliente, na pessoa, e em seus sentimentos, pensamentos, metas, obstáculos e objetivos.

Ao final do seu conteúdo, use uma chamada para ação. Chame seu cliente em potencial a experimentar o seu produto ou serviço. Para os cursos de inglês poderíamos disponibilizar uma aula demo, por exemplo. Ou ainda fornecer a possibilidade do cliente em potencial se inscrever no e-mail marketing da escola para receber mais dicas e novidades.

Você primeiro agrega valor fornecendo um conteúdo que poderia ser vendido, depois vende seu produto ou serviço. Isso é marketing de conteúdo.

Os outros conteúdos de fundação vão responder às outras principais dúvidas, sentimentos, e pensamentos do seu cliente ideal que foram levantados no mapa de empatia.

Construa seu conteúdo de fundação, crie novos conteúdos e adicione links para os conteúdos de fundação. Essa rede de links internos dentro do seu website vai construir um funil de vendas eficiente de alta qualidade.

No exemplo anterior, vamos supor que o cliente ideal também estuda marketing no seu dia a dia. Desta forma, um artigo adicional que pode fazer parte da produção de conteúdo desta escola de inglês poderia ser “Qual é a origem da Black Friday?”.

Dentro deste artigo, poderíamos iniciar com o seguinte texto: A Black Friday é um evento de suma importância para o comércio, especialmente para os fãs de tecnologia. Se você trabalha com marketing e quer ser promovido, é importante saber como se destacar na Black Friday.

Nas palavras-chave “quer ser promovido”, vamos adicionar um link para o artigo de fundação “Como ser Promovido no Trabalho”. Uma parte das pessoas que lerem o conteúdo “Qual é a origem da Black Friday?” também vão acessar o artigo “Como ser Promovido no Trabalho”, porque estão interessadas neste tema.

E assim, um conteúdo leva para o outro, que atrai os clientes em potencial para seu conteúdo de fundação, e que consequentemente vende seus produtos e serviços. Tudo está ligado. E funciona.

Construa seu conteúdo de fundação e mantenha a criação de conteúdo constante.

3: Construa seu site

Há alguns anos, um restaurante excelente abriu perto do escritório. Tudo ia muito bem, mas depois de 3 anos com uma clientela fiel, o aluguel dobrou.

Os preços na área estavam subindo e o dono do imóvel não ficou para trás. Mas o restaurante não podia suportar o novo aluguel e teve que se mudar para um outro bairro mais barato. O problema é que seus clientes não o acompanharam até o novo local porque costumavam almoçar perto do trabalho, e não queriam pegar o carro para ir almoçar todo dia.

O restaurante investiu para trazer novos clientes, distribuíram panfletos e até anunciaram na internet, mas não conseguiram se sustentar e fecharam as portas depois de 6 meses.

E esse é o problema do aluguel. Se a propriedade não é sua, você está sujeito às regras dos donos. Você não controla as principais variáveis do seu negócio ou da sua marca. E isso é perigoso. Muito perigoso.

Após criar o seu conteúdo de fundação, é necessário publicar este conteúdo na internet para que ele possa ser achado. Sendo achado quando as pessoas buscarem conteúdo, você vai atrair clientes.

O primeiro contato do cliente com a marca normalmente inicia nos mecanismos de busca como o Google, ou nas redes sociais. Os meios de comunicação não são mais apenas intermediários para construir um negócio e uma marca. Eles são propriedades de mídia que constróem impérios e fazem as pessoas conhecerem, gostarem e confiarem na sua marca.

Todo website é uma propriedade de mídia. É onde as pessoas entram para conhecer mais sobre você, seu negócio e a sua marca. Por isso a meação, o aluguel, deve ser evitado.

É isso que as ferramentas de mídias sociais podem fazer com você. Mudar as regras do jogo. Reduzir o seu alcance e a sua potência. E quebrar o seu negócio.

As mídias sociais são o novo padrão no marketing e na comunicação. Elas ajudam a ouvir o cliente, comunicar, interagir e espalhar as mensagens das marcas para suas audiências.

Mas a maioria das empresas está cometendo o erro de construir as suas audiências dentro das mídias sociais. E ao tentar vender pelas mídias sociais, não conseguem os resultados desejados. É aí que começa a frustração.

Por isso você precisa de um website

Entenda quais são os conteúdos que o seu cliente ideal procura na internet e esteja bem posicionado nos mecanismos de busca.

Não alugue um espaço e um alcance nas mídias sociais. Crie a sua audiência no seu website em conjunto com seu e-mail marketing. Conquiste a confiança para conseguir o e-mail das pessoas.

Crie um relacionamento baseado em confiança e em uma troca saudável e sustentável.

Você já aprendeu que construir a sua audiência em sites de mídias sociais, em propriedades alugadas, que não são suas, é perigoso porque os donos da propriedade podem mudar as regras do jogo, como o Facebook muda o alcance das publicações e reduz drasticamente o alcance dos posts.

Seu website é uma propriedade de mídia. Ele é a principal propriedade da sua marca no século XXI, e a melhor maneira de criar uma marca com marketing digital. É lá onde as pessoas vão entrar para conhecer mais sobre você, seu negócio e sua marca.

A internet é baseada na busca e a maioria das pessoas precisam dos computadores para buscarem informações.

E para estar no Google, e bem posicionado, é necessário criar conteúdo e publica-lo no seu website. E hoje em dia, construir um website de alta qualidade sem investir muito é possível e simples.

Atualmente, é possível construir seu website de alta qualidade, veloz, otimizado para o Google, que funciona em celulares, e conquista a confiança do seu cliente, com poucos cliques.

Deste o WordPress.com até a Rainmaker Platform, a solução que usamos no Vitamina Publicitária, construir um site de alta qualidade não é mais um desafio.

4: Use E-mail Marketing & Autoresponders

Além do seu website, você precisa fazer e-mail marketing.

E-mail vende 40 vezes mais do que o Facebook e o Twitter juntos. Por isso ter o seu website onde as pessoas podem acessar e se inscreverem para receber seus e-mails, suas novidades e conteúdos, é fundamental.

A premissa básica do marketing na internet é de que o dinheiro está na lista. Com o e-mail das pessoas interessadas em você, no seu negócio e na sua marca, é mais fácil vender.

Marketing de permissão é o privilégio (não o direito) de entregar mensagens antecipadas, pessoais e relevantes para pessoas que realmente querem recebê-las. Ele reconhece o poder dos melhores consumidores de ignorar marketing. Ele reconhece que tratar as pessoas com respeito é a melhor forma de merecer a atenção delas. ” – Seth Godin

Por isso ganhe a permissão das pessoas que visitam seu site para trocar seus e-mails com você. E comece a construir um relacionamento por e-mail.

Agregue valor, troque conteúdo gratuito mas que vale a pena ser vendido pelo e-mail das pessoas.

Integre o e-mail marketing com seu site. Disponibilize um incentivo, também conhecido como propina ética, para que as pessoas troquem seus e-mails com a sua marca. E agregue valor. Construa um relacionamento. E venda via e-mail.

Uma sequência de marketing automática, também conhecida como autoresponder, ou campanhas de drip, que significa gotejamento em inglês, vão fazer a diferença neste momento. Automatize o envio do seu conteúdo de fundação para todos que se inscreverem na sua lista de e-mail marketing. Inicie essa jornada com o cliente 1 a 1, um experiência única com cada pessoa que pode se tornar um cliente.

Você vai investir seu tempo disponível em melhorar o relacionamento com as pessoas, ao invés de repetir tarefas que podem ser automatizadas.

Veja como fazer:

Todos os seus conteúdos devem ter um objetivo.

Assim que seu cliente potencial, seu visitante, acessar seu site, ele vai consumir seu conteúdo. Ao final do conteúdo, você deve adicionar uma chamada para ação. Essa chamada para ação pode ser, preferencialmente, que ele se inscreva para receber suas novidades. Assim que ele se inscrever, ele deve ser cadastrado na sua lista de e-mail e em uma automação de marketing.

Essa automação de marketing vai enviar seus artigos de fundação a cada dois dias, por exemplo, e manter o interesse de seu cliente potencial por um tempo, iniciar um relacionamento de longo prazo e uma jornada de marketing única com ele.

Por exemplo, na plataforma que usamos no Vitamina Publicitária, basta criar seu conteúdo, e adicionar ao final do artigo um pequeno formulário de cadastro. Assim, todos que lerem o artigo podem se inscrever na lista sua de e-mail marketing, e vão automaticamente receber todos os seus novos conteúdos.

Também é possível adicionar o formulário no rodapé do site, e assim a possibilidade do visitante se inscrever fica disponível no site inteiro, sem que você tenha a necessidade de adicionar manualmente em todos os artigos.

Outra forma é disponibilizar um produto digital, como um eBook ou um curso para que o visitante inscreva-se e consequentemente troque seu e-mail com você.

Vamos criar um produto chamado eBook Como Usar as Mídias Sociais. Após a criação deste eBook, temos um link para o download dele. Depois basta adicionar o link para ele ao final do seu artigo.

Assim que o visitante clicar no link, será direcionado para o carrinho, completará seu registro, que pode ser pago ou gratuito, e fará o download do eBook. É possível redirecionar o visitante, que agora é um membro do seu website porque ao se registrar foi associado a um grupo de membro em seu site, para realizar o download de outros eBooks, por exemplo, agora, sem precisar se registrar novamente. E claro, ele também recebe o eBook por e-mail.

Agora, este visitante é um membro do seu site e pode iniciar uma jornada com a sua marca que chamamos de “usuário logado”. A partir do momento em que seu cliente potencial está logado, você pode construir uma experiência melhor.

É possível usar conteúdo adaptativo, também conhecido como conteúdo interativo, e mostrar ou esconder conteúdo de acordo com tags, informações que são armazenadas para cada usuário dentro do seu website. Por exemplo, se a pessoa acessou um conteúdo sobre criação de eBooks, podemos automaticamente associar ela a uma tag “interessado_em_ebooks”, e assim mostrar um conteúdo específico para quem tem essa tag como “inscreva-se no curso sobre eBooks”. Já o usuário que acessou um conteúdo sobre criação de infográficos, pode ver um outro conteúdo como “inscreva-se no curso sobre infográficos”, porque esse visitante foi associado a tag “interessado_em_infográficos”.

E essas tags também podem ser usadas para mostrar ou esconder conteúdos dentro de um e-mail marketing.

Além disso, é possível usar fórmulas de marketing para enviar um e-mail automaticamente assim que seu usuário acessar uma página específica. Por exemplo, ao acessar a página sobre Criação de eBooks, você pode enviar automaticamente um e-mail para seu visitante com uma oferta exclusiva caso ele tenha a tag referente ao download do eBook. Se ele não tiver, você pode enviar um e-mail automático com o eBook, para que esta pessoa primeiro tenha a possibilidade de ler o eBook, e depois, automaticamente, você pode enviar um e-mail com a oferta, melhorando as vendas e educando seu cliente em direção a seus produtos e serviços gradativamente.

5: Use as Mídias sociais

A partir do momento que você tem as peças-chave no lugar, o fundamento bem feito, chegou a hora de ir para as mídias sociais. Agora sim você pode atrair mais pessoas para a sua marca, para o seu negócio.

Retenção, conversão e atração. Não o contrário. Quando você tem a retenção e a conversão das pessoas bem estruturada, a partir de uma sequência de e-mails automatizada que é enviada a partir do momento que uma pessoa se inscreve para conhecer mais sobre seu conteúdo, e a conversão para que esse processo esteja ideal, inicie a atração das pessoas.

Primeiro estruture o seu funil de vendas. Não faça o contrário. Normalmente as pessoas focam em atrair mais pessoas antes de ter a retenção bem feita. E acabam culpando a falta de tráfego pelo insucesso.

O que importa é o que acontece após a conversão de um visitante para um potencial cliente, e o fluxo, o funil que está estruturado após a conversão para leva-lo em direção a seus produtos e serviços.

Otimize o seu processo desta forma, e aí sim foque em atrair mais pessoas para a sua marca.

As mídias sociais devem ser o primeiro lugar para você procurar por ideias de produtos, serviços, e como se comunicar com a sua audiência. E devem ser usadas para trazer tráfego após o seu conteúdo de fundação estar produzido e disponibilizado em seu website, a retenção através de uma sequência de e-mail marketing estar bem desenvolvida, e a conversão das suas páginas e do seu funil de vendas estarem bem construídos.

Conclusão

Conteúdo porque o Google quer. Conteúdo porque as pessoas querem. Conteúdo porque é como as pessoas tomam suas decisões de compra.

Seja um produtor: faça acontecer. Você não precisa fazer você mesmo. Contrate redatores, o mercado está cheio de profissionais que podem escrever, criar e produzir conteúdo para a sua marca.

  • Demonstre autoridade
  • Apresente o seu conteúdo de uma forma profissional
  • Use a prova social para provar que seus produtos e serviços tem clientes satisfeitos
  • Produza bons conteúdos para agregar valor e use a reciprocidade
  • Eduque para influenciar
  • Seja transparente

Brian Clark fala o seguinte:

  • Descubra os tópicos que as pessoas desejam e a maneira como falam sobre eles
  • Crie um ótimo conteúdo sobre esses tópicos, usando a forma de falar destas pessoas
  • Melhore esse conteúdo para que o Google saiba o que fazer com ele
  • Cresça a autoridade do seu site
  • Crie redes sociais fortes e relevantes
  • Escreva em outros sites que possuem autoridade e aponte para o seu próprio
  • Cultive relacionamentos do mundo real com pessoas influentes em seu campo

Novo Problema

Você não precisa passar por essa jornada sozinho.

Eu já cometi a maioria dos erros possíveis do marketing digital, e vou ajudar você a não demorar tanto para fazer acontecer sem desperdiçar tempo e dinheiro.

Nos vemos no próximo episódio, onde você vai conhecer o Marketing Master.

Por Daniel Zollinger Chohfi

Daniel Zollinger Chohfi é empresário, publicitário, e ajuda empreendedores a construírem seus negócios com a internet.

Há mais de 15 anos no mercado, já foi dono de agências de marketing digital no Brasil, morou nos EUA, e é editor-chefe do Vitamina Publicitária, eleito como um dos melhores blogs de marketing pela Hubspot. Recentemente foi destaque na Copyblogger, considerada a bíblia do marketing de conteúdo pela VentureBeat.

Comente: