#PartiuUruguai

Certamente a hashtag que será uma das mais utilizadas nas próximas férias em toda a América do Sul, #PartiuUruguai é resultado da polêmica decisão do governo uruguaio que descriminalizou o consumo e o comércio da maconha no país.

Com regras claras à respeito da legalização, o governo uruguaio será o responsável pelo controle e regulamentação das atividades de importação, exportação, plantio, cultivo, produção, armazenamento, comercialização e distribuição da maconha e seus derivados. O consumo só será permitido a maiores de 18 anos, devidamente cadastrados e além do próprio governo, já apareceram empresas de países como Canadá, Estados Unidos, Espanha, Holanda, Inglaterra e Israel interessadas em atuar na gestão deste “novo” mercado.

A discussão certamente continuará existindo, os defensores do projeto, como o presidente uruguaio José Mujica, afirmam que a legalização irá diminuir a violência relacionada ao tráfico de drogas, responsável hoje por um quarto das mortes causadas por armas de fogo em toda a América segundo relatório da ONU. No México, por exemplo, a guerra entre os cartéis de drogas já matou cerca de 10 mil pessoas de 2006 até agora.

Já os opositores, liderados pela Igreja Católica e pela maioria da população (63% do povo uruguaio não aprova a legalização), dizem como principal argumento contrário a medida, que a maconha é uma porta de entrada para o consumo de drogas mais pesadas.

A Comissão Global de Política sobre Drogas, integrada entre outros pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo ex-secretário-geral das Nações Unidas Kofi Annan, recomenda a muito tempo a descriminalização de usuários de drogas e a implementação de políticas de regulamentação, principalmente no caso da maconha, com o objetivo de enfraquecer o crime organizado. Outros especialistas também aplaudem a decisão uruguaia. “A maconha é a droga mais criminalizada, ou seja, é a que aparece com mais frequência nos casos de condenação por tráfico. Legalizar a maconha, nesse sentido, é o início de uma política de deslegitimação do crime organizado”, disse a especialista em direito penal Beatriz Vargas, da Universidade de Brasília (UnB).

Por outro lado, O Conselho Internacional para Controle de Narcóticos (INCB) – entidade ligada à ONU – posicionou-se contrária ao projeto, argumentando que ele fere convenções internacionais que restringem o uso de drogas, inclusive da maconha, para fins médicos e científicos.

Mas além de toda a polêmica causada, a decisão tomada pelo governo uruguaio abre (aparentemente) um espaço para outras discussões de fundamental importância para a região, como a questão do aborto, o casamento igualitário e o direito de constituição de família entre casais homossexuais, cotas raciais em universidades, etc.

A experiência uruguaia estará certamente sendo acompanhada com muito interesse pela comunidade internacional e, se for bem-sucedida, poderá inspirar outros países a adotar medidas semelhantes no combate às drogas.

Related Articles

20 Sites com Mockups GratuitosDescubra 20 sites com milhares de Mockups gratuitos!

Todo empreendedor criativo ama Mockups! Selecionamos 20 sites com milhares de Mockups gratuitos para você!