Categorias
Blog Variedades

Think out of the Box!

Essa frase está pendurada em todos os cantos já faz uns 5 anos. Ela se tornou o lema na vida de muita gente e frase mestra para muitos negócios de sucesso, mas por mais que essas palavras transpareçam algum tipo de simplicidade, fique ciente que não existe nenhuma, e percebo que muita gente não está atenta a critica coletiva que essas 4 palavrinhas podem desenvolver.

Estava ouvindo o Manifesto anti mimimi do podcast FalaFreela e me reconheci tanto naquele debate que comecei a refletir sobre as coisas que leio, vejo e procuro principalmente na internet. Assustadoramente me dei conta de que quase todos os dias leio os mesmos blogs e  reparei na semelhança editorial entre eles, quer dizer: Eu estava presa em um ciclo de informações completamente viciadas e nem se quer havia reparado. Percebi também na minha dificuldade em saber o que estava rolando na música local (simplesmente porque a odeio) e reparei que nunca vi filmes de terror clássico (por puro medo).

Ter “cabeça aberta” é muito difícil, pensar fora da caixa é pior ainda e o mais doloroso de tudo isso é assumir que sua cabeça é tão fechada quanto a do seu pai, e o que muda são só os temas vitimas do seu desprezo. Digamos que você seja o tipo de pessoa que se orgulha da sua “descoladez” e que faz de tudo para não ser mainstream, fugindo de cantoras como Anita, falando mal do Romero Britto e nunca assistindo uma novela da Globo. Amigo, tenho que lhe informar que você está sim vivendo em uma caixa. Talvez em uma caixa bem diferente da  que as massas estão,  mas você está. O primeiro ponto que se deve compreender é que todo hábito no consumo da informação tem por tendência se tornar uma caixinha que futuramente te limitará quanto as suas produções.

Não é fácil entender logo de cara, mas a caixa a que essa frase se refere não está ligada a nada mais que a você e as suas fontes de referências da onde provem o seu pensamento criativo. A parte mais dolorida é perceber que nós criativos não podemos nos dar ao luxo de procurar ouvir/ ler somente o que gostamos. Conhecer várias coisas é importante primeiramente para que possamos nos aproximar mais facilmente de diversos públicos e em segundo, para que a gente possa odiar como mais força ou se dar a chance de simpatizar com algo que você nem imaginaria que pudesse lhe cativar.

Vamos lá, fuja dessa caixinha! Já ouviu falar de eletromelody?

Por Jess

Formada em design de moda e publicidade e propaganda. Aprecia sem moderação filmes e série sempre que possível, escreve poesias para passar o tempo e produz conteúdo para blogs de moda. Acesse seu Facebook.

Comente: